Carol e Pedro

No dia 23 de dezembro, celebrei o casamento da Carol e do Pedro. Foi uma celebração linda, cheia de emoção e afeto. Esses são alguns trechos do texto que fiz para contar a história dos dois. Carolina é uma é fogueira de festa junina, criança em corpo de mulher. É movimento e vida, como o... Continue lendo →

Anúncios

Janeiro

  Janeiro Podem ser dez da manhã de terça Ou três, da tarde de quinta. O dia amarelo fervente, cinza úmido ou desaguado. O ar me transpassa Silencioso e descomprimido Os minutos gotejados Na sede do descomprometimento. Levito nas horas sem compasso Tomo tempo no olhar perdido fora do relógio Respiro sem demandas Sem dores... Continue lendo →

Casa

  Casa Não há dia sem lembrança Do chão caramelo Das prateleiras enfeitadas de cor Atravessada pela janela A luz em tons de aquarela Desescurecia um canto qualquer. Não há dia sem estranheza Do ninho despertencido Sem luz, escurecido Do sala chão cor de breu. Naquela porta que tudo comporta Naquela janela de luz aquarela.... Continue lendo →

Carol e Julio

Em Maio de 2010 tive o prazer de realizar o casamento da Carol e do Julio, num sítio na cidade de Piraí-RJ. A cerimônia foi marcada por poemas de Drummond, Adélia Prado, Cora Coralina e também pelo depoimento dos padrinhos, amigos e familiares. Com muita emoção e em um clima pra lá de acolhedor, Carol... Continue lendo →

Novidades da Flip: Scholastique Mukasonga

A leitura de Scholastique Mukasonga me trouxe uma experiência parecida (mas não menos enriquecedora) com a que eu tive com dois dos livros da nigeriana Chimananda Ngozi Adichie*. Apesar de serem de países diferentes com culturas diversas (Scholastique é ruandesa), ambas relatam a mistura e coexistência do catolicismo imposto pelos europeus com as religiões e crenças... Continue lendo →

Com o mar por meio

  Livraria da Vila, São Paulo. Bati o olho. Já havia entreouvido falar desse lançamento. Brasil e Portugal, Amado e Saramago. Os ares eram dos melhores. Fui chegando mais perto. O azul - mar esverdeado da capa fazia contraste com os outros títulos expostos naquela bancada. Abri. Encadernação tipo brochura, com linha vermelha no meio.... Continue lendo →

Fotopalavra

  Na pá se lavra Na na foto se fia. A foto se lava Palavra se afia.   Palavra se grafa A foto é grafia. A a imagem de Lara é FOTOGRAFIA.  

Lendo clássicos: Cem anos de Solidão

Sim, eu sei que já deveria ter lido esse livro há pelo menos 10 anos. Eu também me arrependo. Mas, recebi um email de Ana Maria Machado dizendo que estava com certa inveja de mim naquele momento, pois "ler García Márquez pela primeira vez, descobrindo seu universo, é um presente da vida...Uma exaltação de beleza." Com esse... Continue lendo →

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑